quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Seis diferentes frequências e como determiná-las




Por mais que se estude e se pratique não conseguimos saber tudo sobre equalização. Eu procuro saber como as pessoas equalizam uma determinada voz ou bateria, de forma a obter aquela “pegada”, aquele “corpo”, aquele “brilho” tão proeminente nas mixagens. Uma coisa eu já sei. Quando dominamos o espectro, e sabemos o que fazer com o Equalizador para melhorar a sonoridade de algum instrumento ou voz, definitivamente estamos na frente de muita gente.

Podemos ouvir um som e pensar: "Bom, isso precisa de um pouco mais ali por 250 Hz", ou "Acho que um corte em 1,2 é a resposta ao problema". Caso esteja nesse nível de análise, orgulhe-se de si mesmo. Você está ouvindo algo que ninguém mais do que você entende. E isso é algo para se orgulhar.

Às vezes, existem coisas recorrentes na engenharia de áudio; Certas frequências costumam aparecer mais do que outras. Caso você entenda onde pode encontrar as seis frequências a seguir, sua vida será bem mais fácil e a sua produção acontecerá de uma forma bem mais rápida.

Frequência 1 – Corpo e Claridade/Confusão

Instrumentos e sons que ficam ali pelas frequências mais baixas tendem a aparecer mais. As frequências média graves podem encorpar o som, mas em contrapartida podem deixar as coisas não tão claras e definidas. A região em torno de 200 é um bom lugar para verificar se existem confusões indesejadas ou boominess nas mixagens.

Vamos ouvir esse contrabaixo que possui um reforço em torno de 215 Hz, resultando em um som muito encorpado que pode parecer legal por si só, mas definitivamente irá desordenar o espectro de baixo alcance.


Retirando um pouco das frequências medias graves usando cortes de EQ, termos uma linha de baixo ainda proeminente, porém sem aquela falta de clareza e definição que tinha antes.


Frequência 2 – Caixa de papelão

Aqui temos o que pior pode acontecer com o bumbo. Eu pessoalmente odeio bumbos que soam como caixas de papelão. Pra que fique correto o bumbo deverá ter uma tonalidade natural. Agora, não podemos exagerar porque se assim o fizermos iremos definitivamente matar o som. Ficará parecendo que o pedal está batendo numa caixa de papelão.

Se estivermos lutando contra isso, com o boxiness, com o som de caixa de papelão, a área de frequência em torno de 3-600 Hz deve ser o seu terreno de caça. Aumente tudo no EQ e pare quando o boxiness ficar insuportável. Em seguida, corte rapidamente. Não se preocupe se o seu corte não seja muito estreito, o bom é cortar o kick drum de uma forma mais drástica nessa área.


Vamos ouvir o bumbo a seguir. Observe o quanto mais encorpado e mais redondo fica o ganho de graves quando quando cortamos a área de boxiness irritante.


Continua na próxima postagem....





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.